16 de julho de 2012

O escândalo do 2º marquês de Valada

"Tudo espera até a Travessa da Espera está à espera"
Rafael Bordalo Pinheiro, 1894
Tem sido mencionado (1) que Abel Botelho se teria inspirado, para a escrita de O Barão de Lavos, no escândalo do 2ª marquês de Valada, que no verão de 1881 agitou a capital portuguesa.


"Enquanto decorria a campanha rebentou um escândalo que apaixonou a opinião pública da época envolvendo D. José de Meneses de Silveira e Castro, 2º marquês de Valada, na altura governador civil substituto de Lisboa, uma das vozes mais conservadoras do Partido Regenerador na câmara alta e amigo pessoal do rei. Na noite de 2 de Agosto de 1881, o nobre foi surpreendido pela polícia com um soldado de infantaria n.º 2, em prácticas homossexuais, numa habitação na Travessa da Espera. A autoridade soltou o conhecido político, mas prendeu o militar envolvido e a dona da casa, onde tudo se teria passado. Como se veio a apurar, apesar do cargo que exercia e da sua filiação partidária, o marquês andava há tempos a ser seguido pelas forças de segurança porque tinha usado o lugar do governo civil para mandar soltar "uns vadios da sua particularíssima amizade", uns dias antes de ser apanhado em flagrante delito. Apesar de o acusado ter pedido a demissão, Mariano de Carvalho ficou indignado não devido aos costumes sexuais do nobre, que aliás já eram conhecidos de toda a gente, mas pelo facto do governador civil, António Arrobas, ter mandado vigiar o seu colega. O caso era tanto mais grave e escandaloso porque o marquês de Valada era um importante par do reino, o que demonstrava a 'valia moral' da câmara que acabou por ditar o fim do governo progressista." (2)


O escândalo do marquês de Valada, para além de ter sido inspiração para o romance de Abel Botelho, tê-lo-á sido também para outro romance, de Alfredo Gallis, para caricaturas de Rafael Bordalo Pinheiro e para uma peça de teatro que foi levada à cena no antigo Teatro da Rua dos Condes.


Fontes:
(1) Concerning the Eccentricities of the Marquis of Valada: Politics, Culture and Homosexuality in Fin-de-Siècle Portugal, de Robert Howes, artigo publicado na revista Sexualities de fevereiro de 2002.
(2) Mariano Cirilo de Carvalho: o "poder oculto" do liberalismo progressista (1876-1892), de Paulo Jorge Fernandes, Colecção Parlamento, Leya, 2010
Enviar um comentário